visualizações de página

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Poesia seca



São tantas poesias secas
São tantas vidas vazias
Que eu passo a frente dos dias
Como quem clama ouvir nostalgias

Exclamam: Viver de passado é museu!
Quem dera excluir da memória
Interceptar a história
Romper o que já se envolveu.

O que se cativa, se gruda, se finca
Como bomba de napalm
Arde, incendeia
Marca na pele, como gado
A tatuagem que se frustra, se trinca
Tudo que vive de passado.

A ideia construída do outro
É o aborto prematuro
O reflexo do passado
Inventando um futuro.

Saudosista de meia pataca
Nostalgia pela culatra
Lembra mesmo do que não viveu
Perpassou por casas vazias
Conheceu pessoas sombrias
Reclamou o que nunca foi seu.

O passado é abstrato em forma de aroma
Tem conteúdo, tem preenchimento
Vem cheio de coisas uteis
Desusadas, abandonadas
Termina com laços fúteis
Poesias, degoladas.

O passado é uma carta escrita com amor
Faz sentido, tem sentimento
Escreveu-se cheia de atitudes
Desonradas, descartadas
Termina com “desvirtudes”
Vidas rasas, amassadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pedras na janela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...