visualizações de página

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Fundo Falso


Um dia de domingo, e um fundo falso pra esconder a dor
Um belo riso, e um choro amargo, ensurdecedor
Forjando laços já desfeitos, amigos tolos, imperfeitos
Quem me dera saber do que são feitos
Se, são de aço, de peito inflado
Ou são armários desenterrados
Abarrotados de tantas peças, donde as velhas são peripécias
Amam as novas, como quem sabe amar
Deixam as velhas a “cabidar”
Penduradas, desconcertadas, como se nunca a vissem lá
No fundo falso no falso fundo aquela peça plácida e florida
Aquela rosa no cabelo, e aquele brilho no olhar
Eram meros objetos de adorno a se mostrar
São vestes que te servem da prima - vera ao verão
Vira volume, vira cabide, são amigos de estação
Nos surpreendem a cada instante com frases longas desconcertantes
Que nada dizem, mas que se lê
Não se traduzem, nem reproduzem
São as verdades no que se crê
E acreditam impiedosos, são amorosos e inculpáveis
E nem por um minuto concluem:
Que cada peça esta onde foi posta, pela conduta, pela disputa
Amigo troféu, estandarte, é a resposta
E cabe em qualquer fundo falso
Onde se queira esquecer
Para polir a nova peça, a nova conquista, o novo pódio
Nessa corrida de popularidade, de status, de nada.
Nesse fundo falso cheio de ódio
De peças usadas e descartadas.
No fundo, falso.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...