visualizações de página

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

o Maniqueísmo do preto e branco

Eu entro todos os dias na minha caixa de e-mails para verificar se recebi algo importante, pois eis que hoje me deparei com esse video enviado pela Professora Denise Pirollo por meio do grupo Edufesc - que trata de assusntos relacionados a educação física escolar. Ela mandou uma curta frase de que não sabe nem a intenção e muito menos a procedência do video, mas relata que ficou apreensiva com o teste, pudera, trata-se de um teste que demonstra algo intrigante que põe a prova a minha própria definição do que é bom, e do que é mau, do que é belo, e do que é feio. Juro que quase me convenci de que a combinação de olhos verdes e pele clara são sinonimos de beleza. Como criança negra que fui, tenho em mente que não é muito legal quando ao invés de ouvir algo como " que olhos lindos você tem", me contentar com um "você não precisa de protetor solar por que negros produzem bastante melanina", sempre me apeguei a essa vantagem. É complicado assistir esse video, por que sabemos que algumas pessoas vão dizer coisas como " que criança burra, será que ela não vê que ela é negra?", pois bem, creio que por ver e ouvir a todo momento que ela é negra, e saber que ser negro esta arraigado a raízes de miséria, escravidão, trabalho braçal entre outras caracteristicas que depreciam esta cultura, enquanto que ser branco nos remete a grandes reis, guerreiros, poderosos, e nada mais nada menos do que a imagem de Jesus Cristo, não é surpresa tentar esqueçer ou até mesmo negar a sua origem, afinal de contas quem não quer fazer parte do grupo mais "cool"?. Acho que ser um loiro alto de olhos azuis nunca sairá de moda. Se eu gosto que me chamem de negro, preto, moreno? Não. Definitivamente, eu odeio rótulos, eu sei que não seria uma ofensa, mas será que seria legal ficar rotulando alguém de branco, branquiçelo? Não seria. Mas considerando a história como um todo, seria menos pior. O fato é que se alguém me titula preto com intuito de me ofender, e eu retruco com um sonoro "branquiçelo", ele certamente responderá "melhor branquiçelo, do que preto" , pondo um fim na discussão, afinal não tem nem de onde tirar argumentos pra se dizer que ser negro é realmente o melhor. Em meio ao temeroso maniqueísmo em que nos encontramos, o fato é que existem poucas chances de se sentir igual em qualquer quisito. O ponto culminante reflete que ser diferente ou ser minoria, será sempre um grande desafio a ser enfrentado.

Um comentário:

  1. eu sou de uma cor que não tem nome. no fundo, acho que só assim pra ser feliz de verdade. achei o vídeo muito bacana, forte, mas que mostra a vitrine do mundo.

    abraços

    XD

    ResponderExcluir

Pedras na janela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...