visualizações de página

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Dos bons samaritanos que eu odeio


Sabe quando você esta realmente ferrado? Não, eu definitivamente não to falando de bater o pé na quina de algum móvel, ou não conseguir entrar no MSN, e não é também da sua balada que não deu certo, muito menos do bolo que tu levou, eu estou falando sério, sobre uma série de infortúnios que duram digamos, mais de 20 anos, isso por que não quero ser mais exato e dizer 26.
Nesse meio tempo, quando se esta ferrado, bem no momento critico da coisa, surgem as “ajudas” dos “bons samaritanos” de plantão. Sabe, eu confesso, que sim, eu preciso muitas vezes de ajuda, quase sempre, mas eu me esqueço que os seres humanos, são extremamente complexos, e alguns deles em especifico, são definitivamente incapazes de discernir o que significa realmente ajudar. Ajudar pressupõe não pedir nada em troca, e esse nada, não inclui somente coisas materiais, inclui o terrorismo que o “bom samaritano” faz quando transforma sua ajuda em algo que pode ser perdido a qualquer momento, aquele tipo de ajuda, que diz respeito a sua total submissão e aceitação do que lhe é imposto pelo “bom samaritano”, que no cume do teu egoísmo se sente no direito de sentir-se ferido, quando quem tem esse direito de sentir-se abalado e ferido, é justamente aquele que precisa de ajuda, que se encontra vulnerável, por isso eu duvido de qualquer tipo de ajuda que venha com um “pode contar comigo para qualquer coisa”, por que bastam pouquíssimas coisas, para quem precisa de ajuda se deparar com um “sinto muito, mas desse jeito eu não posso fazer mais nada por você”, ou seja, lava-se as mãos tão facilmente que me deixa até com medo de algum dia realmente depender da ajuda de determinadas pessoas. Meu querido, o problema é meu, é comigo, caia na real, sou eu que preciso de compreensão, são as minhas atitudes erradas que deve ser relevado, não o contrário.
De que adianta alguém que te ajuda e corre para listar as ajudas que lhe fez? Que tipo de ajuda egoísta é essa, que sente prazer em mostrar que sem essa ajuda, você não seria nada? Gratidão é uma coisa que se tem ou não, ajuda é uma coisa que se dá sem esperar simplesmente nada, o contrario disso, no meu vocabulário não se chama ajuda, se chama oportunismo, ego, e falta de educação com a fragilidade alheia. Eu não sou obrigado a estar passando por um conflito imenso, e ter como ajuda um tipo de gente que agrava mais ainda seus conflitos, ou gera outros tipos de conflitos. Eu não preciso disso, eu preciso de tranqüilidade, não de mais cobranças, não de mais pressão.
Hoje, ou eu aprendo a lhe dar com isso, ou eu agrego a minha vida ainda mais problemas, e como eu já me cansei do mundo dos problemas girando ao meu redor, mais uma vez eu ei de abstrair, para manter-se vivo, seja lá por quais motivos, mas vivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pedras na janela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...