visualizações de página

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O conformado e o seu pequeno mundo

O filho de uma mãe, pobre, maltrapilho, camarada de pouca sorte, nascido em berço esplêndido, tomado pela ideologia burguesa, temente a Deus, e aos paradigmas(dogmas) da igreja, que com muito esforço, conseguiu se sobressair cursando uma "faculdadezinha" e ganhar um a- salário de estagiário, mais otário do que escravo, crê que a linha da vida esta traçada e acredita fielmente que cada um tem o destino que merece, ou que cada um faz seu destino como quer. Dizem que a faculdade foi feita para disseminar conhecimento, e transcender o senso comum, mas o afortunado camarada confunde chegar ao resultado de algumas complexas "equaçõezinhas", com o sentido máximo de viver e solucionar os problemas que lhe rodeiam. Somente os que lhe rodeiam. O degenerado capacho da ideologia, e da apologia institucional ao conformismo e a manutenção do modo de produção capitalista, não se enxerga dentro do problema e acredita que a cada qual cabe fazer a sua parte, e provavelmente deve acreditar que quem nasceu pra ser gari, lixeiro, ou outra profissão que por mais digna que seja exigem do individuo mais que humildade, tem como pré requisitos ser pobre, não ter acesso ao conhecimento especializado ou mesmo o básico, cabendo a este somente os serviços braçais  que lhe restarem, e que estes estão simplesmente obedecendo a ordem natural das coisas. E para este, quem questiona ou discute, ou simplesmente se indigna com o sistema de divisão de classes são  loucos, e isso é coisa pra quem não tem o que fazer, coisa de gente metida, que adora se aparacer na política, que procura cabelo em ovo, que gosta de irritar os outros, e adora bater panela reivindicando seja lá o que for. Odeia os socialistas e comunistas e ainda acredita na história cabeluda da vovó que estes comem criancinhas, e nunca nem ao menos teve o mínimo interesse de ler a respeito, e procurar entender o verdadeiro conceito de comunhão, ou mesmo o de revolução, no caso a unica forma de transformação. Mas transformação de que? diria nosso amigo pobre de dinheiro, de espírito e de humanidade. Para o esforçado que esta conseguindo comer, e morar, e ainda conseguiu comprar seu meio de locomoção, e vez ou outra consegue fazer uma viagem via CVC nas suas férias para um lugar lindo do nosso país maravilhoso, não se tem o que transformar. Se o maltrapilho com seu esforço honroso conquistou tudo isso em meio a forte concorrência do mercado livre, qualquer mendigo, sem referencias, sem comida e sem educação pode conseguir, basta querer, basta acreditar em Deus, por que claro, é Deus quem esta governando o Estado, e se algo der errado, muito mais fácil vai ser por a culpa em algo divino e invisível. O fulano beltrano com certeza vai justificar de todas a formas possíveis o modo de vida em que vivemos, em sua própria defesa, acreditando que este é o modo ideal, e que este nunca foi diferente, sem saber que até os burgueses um dia fizeram revolução, sem saber que a custa de todo esse avanço tecnológico, muito há de se perder, e muito já se perdeu. Mas se o esforçado esta usufruindo de tudo isso, e ainda esta vivo, pé na tábua,   acelerem as máquinas, e vamos esquecer qualquer que seja o contexto desse episódio superficial de avanços e de globalização, vamos esquecer que enquanto disseminamos os conhecimentos aqui, avançamos e nos esforçamos para fazer parte da famosa classe média, uma boa parte da população, que claro, o camarada esforçado não tem culpa, e por isso não se sente responsável por isso, esta simplesmente passando fome, enquanto outros tem o trabalho explorado. Oras, mas todo trabalho é explorado, e nosso deprimente camarada nos diz que devemos aceitar, e buscar melhorar nossa condição, calcando uma ascensão de classe. Engraçado falar em classes, quando percebe-se que os camaradas mais condenados, mais fadados ao infortúnio se matam entre si por um lugar ao sol, um lugar numa classe mais alta, sem saber que a porcaria da divisão de classes existe sim, mas as divide em apenas duas, a dos ricos donos do meio de produção, e a dos pobres, donos da força de trabalho. Será que é tão difícil assim entender que está todo mundo no mesmo barco? Que não adiante ficar pagando de gatinho com o tênis da moda, por que isso não te põe entre os donos do capital?  E que não adianta fugir do problema, ou do assunto, ou da discussão, por que de qualquer forma você garoto esforçado esta mais envolvido na política do que pensa. Pode até ser que você morra sem saber disso, e pode ser que até lá muita gente morra acreditando que nunca se evoluiu tanto, mas eu vou morrer tentando provar o contrário.

Um comentário:

  1. muito bom cara, continue acreditando e um dia mudaremos a cabeça de toda essa classe media coxinha haahha isso ae, parabens e NOS VEMOS EN LA REVOLUCION

    ResponderExcluir

Pedras na janela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...