visualizações de página

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Aos homens direitos, direitos humanos!


Afinal, quem são os homens que devem ter os seus direitos enquanto humanos garantidos? Talvez os homens, homens. Sim, os homens do sexo masculino, do gênero, macho. Talvez, um homem branco, sim, com a pele clara, nada de miscigenação. Talvez, um homem alto, isso mesmo, um homem macho, branco, alto e magro. Talvez seja exagero dizer que o estereótipo de homem direito, perpasse por tantos estigmas, por tantos padrões sociais, e recaiam na ideologia dominante como principal elemento coadunador da ideia burguesa e da prática inversa como base dos direitos humanos. Como se não bastasse todos os fenômenos sociais estarem reféns do modelo social, os direitos humanos, também estão. Estamos vivendo um momento histórico onde as conquistas dos direitos dentro da sociedade estão sendo mais do que invisibilizados, estão sendo contrapostos enquanto um abuso de liberdade, estão sendo banalizados como se ter direitos fosse um exagero. A liberdade esta levando a culpa, o direito esta levando a culpa pelas mazelas que constituem o modelo de organização social capitalista, que tem como base fundamental a desigualdade sócio econômica, e que gera em seu ventre a  eterna contradição, a luta de classes, a violência, a falta de referências. A sociedade em sua maioria embebecida da ideologia dominante reproduz a lógica burguesa de tempo, de produtividade, de consumo, de liberdade, de superação, de ascensão social, de individualização e responsabilização pelos fracassos gerados pelo próprio sistema. O fracasso na educação, o fracasso no trabalho, na cidadania, na dignidade, na saúde, são debelados aos próprios homens, e nessa perspectiva, inculcados dessa lógica, o homem direito acredita que suas conquistas e sua acumulação de bens dependem exclusivamente do teu próprio esforço, do trabalho assalariado, depende de acordar cedo todos os dias, de ser hábil, criativo, disposto, dinâmico, depende de uma doação integral a expropriação efetuada pelos donos do capital. Essa lógica neoliberal corroborada com o entrave das religiões, que conformam a massa, com a suposta condição determinada por forças divinas, torna os homens cada vez mais desarticulados, fragmentados, e reduzidos a sua condição coisificada de objeto de consumo ou consumidor, onde os direitos ganham a mesma conotação, o direito de se vender, o direito de comprar, o direito de possuir, o direito de estabelecer dentro da sociedade relações de poder que distinga uma classe em detrimento de outra. É nessa distinção demoníaca entre as classes, que insurgem os paradigmas a respeito de quem pode ter direitos, e de quem não pode, como se ter direitos fosse uma condição determinada pelas condições sócio econômicas, pelo status dentro da sociedade, pela frequência na missa aos domingos, pelo moralismo disseminado, pelo conservadorismo e tradicionalismo da sociedade hipócrita cristã e evangélica. Quantas vezes ouvi de dementes sociais coisas do tipo “ nasci pobre, passei por várias dificuldades, e sou uma pessoa boa, portanto todos podem ser, basta querer”, e isso, é o que querem que pensemos, que tudo é uma questão de superação, de vontade, de esforço individual, porém sinto lhes informar que não é. Não basta querer, não basta trabalhar a vida toda, não basta fazer orações todas as noites, não basta ser otimista, ou voluntário social, amigo da escola, não basta. Não basta acreditar que os prazeres da vida precisam ser precedidos todos de sacrifícios, é preciso entender que as condições não são determinadas por uma força oculta, pelo contrario, existem forças reais, concretas, palpáveis, que distanciam os homens do pensamento reflexivo sobre sua existência e suas condições de vida sobre a terra. Os direitos humanos são claramente direcionados para todos os humanos, mesmo aqueles que não seguiram os padrões morais estabelecidos e construídos socialmente, os direitos humanos não defendem os direitos de bandidos, defendem os direitos dos humanos, que tem suas dignidades violentadas, e por isso os direitos humanos muito provavelmente não vão atuar defendendo ricos, empresários, políticos, por que estes, pouco provável sofreram essa violação a sua dignidade, na maioria das vezes estes são os violadores da dignidade dos que não podem comprar, possuir, ordenar. Essa compreensão a respeito dos direitos humanos e da liberdade baseada na ideologia burguesa esta equivocada e precisa ser repensada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pedras na janela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...